Blog

CINOMOSE

CINOMOSE

O vírus da Cinomose Canina é facilmente transmitido a outros animais. A transmissão pode ocorrer pelo contato com secreções respiratórias, urina e fezes de cães infectados. Não há sinais específicos da doença, principal razão para a demora no diagnóstico e tratamento.

A Cinomose representa uma grave ameaça para os cães, em particular aqueles que são expostos ao vírus. A taxa de mortalidade pode atingir até 80%, e mesmo adultos, apesar de raro, os cães podem ser infectados. Todos os cães estão em risco, mas filhotes com menos de quatro meses de idade e cães que não foram vacinados contra cinomose estão em maior  risco de contrair a doença.

Os cães sofrem com sequelas a longo prazo, mesmo após a cura da doença. O colapso do sistema nervoso pode agravar o olfato, audição e visão. Pode ocorrer paralisia parcial ou generalizada e complicações como pneumonia.

SINAIS CLÍNICOS E DIAGNÓSTICO

Os cães podem desenvolver no estágio inicial, secreção oculonasal serosa-mucopurulenta, ceratite, conjuntivite, erupções cutâneas abdominais, dermatite vesicular pustular, hiperqueratose digital e nasal, bem como sinais inespecíficos como hipertermia, tosse, letargia, inapetência, êmese entre outros.

Em um estágio mais avançado, a medida que o vírus atinge o sistema nervoso, os sinais clínicos e a gravidade da doença dependem da cepa, da imunocompetência do paciente e da região do SN atingido.

O diagnóstico pode ser iniciado com teste rápido para pesquisa do vírus com CDV* Ag ECO Vet, podendo ser confirmado por biologia molecular com a detecção do RNA viral com o PCRun®. Informações clínicas devem ser coletadas e agregadas aos exames complementares como hemograma e bioquímicos com CHECK-UP 14 b-line C200.

TRATAMENTO E PREVENÇÃO

Não há medicamentos antivirais eficazes para combater a doença. No entanto, o tratamento sintomático é o recomendado. Na presença de infecções secundárias no sistema digestório e respiratório utiliza-se antibióticos e antitérmicos, além de aliar expectorantes, bronco dilatadores e antiemeticos. Também são utilizados fluidoterapia para corrigir a desidratação causada pela diarreia, anticonvulsivantes para as crises convulsivas devido ao acometimento do sistema nervoso e suplementos nutricionais e terapias alternativas, como a acupuntura, para melhorar a resposta imunológica do animal também são utilizadas.

Os animais que tiverem acometimento do sistema nervoso podem ficar com tremores musculares, andar desordenado e/ou crises convulsivas por toda sua vida, mesmo não portando mais o vírus. Filhotes que se recuperam de uma infecção pelo vírus da Cinomose são imunes. Contudo, devido a alta mortalidade dos cães infectados, a vacinação é a forma mais segura de prevenção, e o acompanhamento com a titulação de anticorpos utilizando o teste Vcheck CDV Ab, o qual informará se o cão está protegido após receber a vacina.

Filhotes nascidos de cadelas imunes à Cinomose também possuem anticorpos, obtidos através do colostro. A imunidade dos filhotes com anticorpos maternos diminui rapidamente, tornando-os suceptíveis em torno de 8 a 12 semanas de vida. Para determinar o momento adequado da vacinação, também é indicado a titulação de anticorpos pré vacinal com o Vcheck CDV Ab.

A ECO Diagnóstica conta com ferramentas completas para auxiliar o médico-veterinário em todo processo de atendimento até o diagnóstico definitivo.

Entre em contato conosco e saiba como ter todas elas a seu favor: (31) 3653 – 2025 | contato@ecodiagnostica.com.br

 

Aproveite e faça o download do nosso Guia para o Diagnóstico de Cinomose.

Compartilhe

LEIA MAIS

Outubro rosa pet

Assim como as mulheres, as cadelas estão propensas a desenvolverem neoplasia mamária. Fique atento! A […]

Você conhece o impacto da cetose subclínica e da hipocalcemia subclínica nos rebanhos leiteiros?

Em rebanho leiteiros, as doenças metabólicas do período de transição vem ganhando cada vez mais importância […]

Hepatite infecciosa canina

Hepatite infecciosa canina A hepatite infecciosa canina é provocada pelo adenovírus canino de tipo 1 […]